Exposição Fotografias João Luiz Musa no Instituto Tomie Ohtake

218

Duas séries de trabalhos de João Luiz Musa, uma em cor, outra em preto e branco, ocuparão duas grandes salas do Instituto Tomie Ohtake. O conjunto de 105 fotos expressa seu talento ímpar de extrair a mais alta qualidade da fotografia a partir de cenas, arquiteturas e paisagens, combinando raro apuro técnico e poesia. Vocação que começou bem cedo, quando cursava primeiro ano da Escola Politécnica da Universidade São Paulo e conheceu o laboratório de fotografia do grêmio. Desde então, desenvolve de maneira muito própria a sua obra – do olhar à revelação.  

 A série em preto e branco,  Um Inverno, reúne 50  imagens captadas pelo fotógrafo em Paris, Londres, Roma, Lisboa, Madri, Bruges, Hamburgo, Genebra, Oslo, Estocolmo e outras cidades europeias em uma viagem durante o inverno de dezembro de 1973 a janeiro de 1974. Segundo o texto de Agnaldo Farias para a exposição, “homem, cidade e natureza” se encontram e o fotógrafo mostra a forma sutil de como se avizinham e se acomodam. “Há silêncio e calma nessas imagens, o que não quer dizer que não haja também dor e violência, mas é que, na contracorrente de uma fotografia compreendida como exercício de suspensão do agora, o artista descobriu que o instante decorre do passado, inescrutável e necessariamente longevo”.

 Algumas fotos desta viagem estiveram em exposição no MASP, em 1974, e outras que, segundo Musa, dialogavam com trechos dos Cadernos de Malte Laurids Brigge, de Rainer Maria Rilke, foram expostas em  1993, no MIS. Na seleção da presente mostra no Instituto Tomie Ohtake, o processo de edição, os negativos, contatos e cópias foram revisitados e novas imagens foram incorporadas ao ensaio.

 Já na série em cor, Fotografias 2005 – 2009, estão 55 os trabalhos mais recentes, fotos captadas por Musa em Paris e Avignon na França, Nova York e cidades brasileiras – São Paulo, Rio de Janeiro, Parati, Cubatão e Itanhaém. Geradas por câmeras digitais e impressas em jato de tinta sobre papel de algodão, as imagens foram tratadas com recursos de interpretação sobre a luz e sobre a cor, graças aos novos arquivos e programas de manipulação, que a fotografia convencional analógica não permitia. “Hoje cada canal de cor pode ser tratado separadamente quanto a sua qualidade tonal, sua saturação e sua luminosidade”, explica o artista. 

 Na série em cor, João Luiz Musa apresenta o resultado dos últimos cinco anos de trabalho, no qual, segundo o texto para a exposição de Luiz Armando Bagolin, demonstra a intensa experimentação com a luz e a cor aliada ao rigor com a edição.  “Confrontado ao fotógrafo atual, aquele jovem fotógrafo viajante que percorrera anos atrás, sem grandes perspectivas, mas confiante na práxis do ‘momento decisivo’, um território desolado pela Guerra Fria, reaparece-lhe com estranhamento, enquanto a produção recente contempla o estado de arte dos lugares, do modo de vida, da cultura das pessoas, das coisas cuja luminosidade é, delas, sígnica”, conclui Bagolin.

 As séries estão sendo transformadas em dois livros a serem lançados no final da exposição. Fotografias 2005 – 2009 (156 páginas, 23x29cm, texto de Luiz Armando Bagolin) é uma edição da Imprensa Oficial em parceria com o Instituto Tomie Ohtake, enquanto Um Inverno (144 páginas, 23x29cm, texto de Agnaldo Farias) é edição conjunta da Imprensa Oficial e da EDUSP. São publicações desenvolvidas minuciosamente pelo próprio artista, processo inovador que conta com o entusiasmo do presidente da Imprensa Oficial, Hubert Alquéres.   

 Exposição: João Luiz Musa – Fotografias

Até 09 de maio de 2010, de terça a domingo, das 11h às 20h – entrada franca

Instituto Tomie Ohtake

Av. Faria Lima, 201 (Entrada pela Rua Coropés) – Pinheiros SP  Fone: 11.2245-1900