ACIC – Recebe jornalistas

352

ACIC – Recebe jornalistas

Laerte Martins economista da Associação Comercial e Industrial de Campinas, recebe jornalistas para falar do crescimento do comércio de Campinas e também para comemoração do Dia do Jornalista.

 Vendas na Páscoa cresceram 6,3% em Campinas em comparação com 2011 

A Páscoa deste ano (08/abril), comparada com a Páscoa de 2011 (24/abril), cresceu nas vendas, cerca de 5,9% na RMC, e 6,3% em Campinas. Essa expansão ficou um pouco abaixo do que o comércio previa, que era de 7,5%.

Na contratação da mão de obra temporária, o crescimento foi de 4,34% na RMC, e 5,38% em Campinas.  Tivemos também aí, um crescimento menor que o previsto, que era de 6,5%.  A explicação para esse crescimento menor que o previsto, está refletido no ticket médio de compra, que ficou em R$ 120,00, cerca de (-4,0%) do que os R$ 125,00 previstos para o comércio.

Vendas de março/2012 se recuperam em Campinas e na RMC

Campinas:

Baseado nos números do SCPC de março de 2012, as consultas indicam um crescimento no volume de vendas em Campinas, de 5,52% em relação a março de 2011.

Os destaques foram ainda, as vendas a prazo, as vendas na linha branca, aproveitando a desoneração fiscal que terminaria no fim do mês, e as liquidações da mudança de estação.  Realmente, o ano comercial se inicia no País, depois do Carnaval.

O faturamento estimado para Campinas foi de R$ 720,4 milhões contra os R$ 676,4 de março de 2011, uma expansão de 6,51%.

O 1º trimestre fecha com um crescimento nominal de 6,85%, que representa uma expansão Real de 1,28%, descontada a inflação do período.

A inadimplência medida em carnês atrasados no trimestre, cresceu em 105,93%, número que vem se reduzindo, mês a mês.  O número de carnês em atraso, janeiro a março de 2012, foi de 24.924 carnês, que representa cerca de R$ 31,2 milhões, que não circularam no comércio.

RMC:

Na RMC, as vendas também se elevaram em 4,70% em relação a março de 2012, frente a março de 2011, no trimestre a variação foi de 4,60%.  O faturamento estimado na RMC no mês de março de 2012 foi de R$ 1.719,4 milhões, contra os R$ 1.597,0 milhões de março de 2011, uma expansão de 7,66%.  O 1º trimestre fecha com uma expansão nominal de 7,10%, que representa uma expansão Real de 1,52%, descontada a inflação.

A inadimplência medida em carnês atrasados ficou no trimestre em 91,6% acima do trimestre de 2011.

O número de carnês atrasados no período, foi de 62.310 carnês, que representa R$ 74,8 milhões que não circularam no comércio no período janeiro a março de 2012.

Juros consolidam queda em março/2012, com taxa básica abaixo de 2 dígitos

As taxas de juros no mercado financeiro em Campinas e região, confirmam uma redução média de (-2,71%) no custo do dinheiro, em março/2012.

A Selic em março/2012, ficou abaixo dos 2 dígitos, em 9,75% a.a., uma redução de 0,75 p.p., em relação a fevereiro/2012 e cerca de 2,00 p. percentuais há um ano atrás. A redução na Selic não reflete a mesma redução nos juros de mercado (na ponta), mas provocou uma redução de (-2,70%) no crédito pessoal, frente a fevereiro/2012, e de (-9,28%) diante Março/2011.

O Spread, nas operações com pessoa jurídica, chegou 32,00% agora em março/2012, quando em março/2011 estava em 33,68%. Quanto mais cair o Spread bancário, menores serão as taxas cobradas na ponta. O Bacen, na corrida para combater a inflação e reduzir os juros abaixo de 2 dígitos, chegou aos 9,75% a.a., em março/2012, sendo que há 2 anos atrás, em março/2010, ela ficou em 8,75% ao ano.


Laerte Martins economista da Associação Comercial e Industrial de Campinas termina dizendo que Campinas e a RMC estão de parabéns.

Confirma as fotos: Carminha Saucedo